7 de novembro de 2015

»Materia sobre Animais Fantasticos na Entertainment Weekley

A revista Entertainment Weekly tem sido responsável por divulgar detalhes sobre o filme e essa semana a matéria completa foi traduzida, confira abaixo:

Nós encontramos Newt Scamander longe de seu habitat natural. O mundialmente famoso magizoologista está andando por uma rua movimentada da Manhattan de 1920. Ele é um rapaz meio esquisito e, de uma pequena distância, um observador cuidadoso pode detectar pistas sobre suas origens e hábitos. Vê esse passo largo? É porque geralmente ele está andando pela mata. Esse paletó de tweed que não cabe direito? O excêntrico inglês não está acostumado às roupas da cidade. Seu jeito reservado quando se aproximam? Pessoas o deixam desconfortável. E ainda tem aquela maleta estranha, velha e amarelada, que ele segura de maneira tão protetora. Algo lá dentro é muito precioso para ele.

Nós estamos seguindo Newt nessa grande réplica da cidade de Nova Iorque nos Estúdios Leavesden perto de Londres porque, como uma de suas criaturas, ele é de uma espécie muito rara: o primeiro protagonista de um filme no universo cinematográfico de $10 bilhões de Harry Potter que não é Harry Potter. Interpretado pelo vencedor do Oscar Eddie Redmayne, Newt Scamander é o herói de Animais Fantásticos e Onde Habitam, que estreia em novembro de 2016, o primeiro filme da franquia da Warner Bros. baseado na mini-enciclopédia da fauna mágica (ex: testrálios esqueléticos, fadas mordentes). Escrito por J.K. Rowling e publicado pela primeira vez em 2001 com meras 42 páginas – tipicamente Harry demorava mais que isso para sair da casa dos Dursley -, Animais Fantásticos é um livro-texto escrito por Newt, usado pelos alunos da Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts nos livros de Harry Potter. Não tem nenhum enredo. Então como se faz um filme a partir de um pequeno catálogo de criaturas? Uma das ideias envolveu a criação de um documentário falso – pense no Animal Planet com Hipogrifos ao invés de hipopótamos -, mas quando Rowling soube desse plano ela ofereceu outro: “Ela apenas começou a escrever”, diz o produtor de longa data de Potter, David Heyman.

Apesar de Rowling ter participação criativa nos filmes de Harry Potter, Animais Fantásticos marca a primeira vez que ela escreve um roteiro. E isso fez uma espera por um projeto de doer nos nervos para todos os envolvidos, principalmente Redmayne. O ator de 33 anos foi cortejado 5 meses antes de Rowling finalizar o script, o que o colocou na não-invejável posição de potencialmente invadir a mais amada (e mais lucrativa) contadora de histórias do planeta.

“Eu ali aqueles livros [de Harry Potter] e assisti aos filmes e você não quer ser aquele que vai entrar e…” Redmayne deixa o resto desse pensamento vagando pelo ar. Ele faz muito isso, na verdade. “Teve uma tensão porque se eu lesse o roteiro e…” Sim, entendemos.

O ruivo Brit, quem mais cedo nesse ano levou para casa o Prêmio da Academia de Melhor Ator pelo seu retrato do Stephen Hawking em “A Teoria de Tudo” e é considerado um corredor de frente pela sua performance como Lili Elbe, pioneira transgênero, em “A Garota Dinamarquesa” (estreia 27 de novembro) não precisava ficar preocupado. A participação inicial de Rowling teve tudo que os produtores esperavam ver: uma estória inteiramente nova que, estranhamente contrariando a franquia inglesa, se passa na Nova Iorque de 1926.

“Haviam coisas lá que foram de tirar o fôlego”, Heyman disse do seu ‘quarto de guerra’ no Leavesden, junto com storyboards com spoilers e um aviso na porta para os funcionários da limpeza não entrarem. “Ele tem a marca registrada da sua inacreditável imaginação”.

Redmayne presenciou essa imaginação em primeira mão quando ele se sentou com a autora para discutir seu papel. “Ela conseguia conversar com você sobre qualquer coisa, qualquer complexidade”, ele se maravilha. “Você não está interpretando um personagem ‘real’, mas, na mente sábia de J.K. Rowling, ele é totalmente tridimensional e você pode conversar com ela sobre como era sua vida”.

No filme, dirigido por David Yates (que dirigiu os últimos quatro filmes de Potter), Animais Fantasticos vai levá-lo ao início do século 20 na América, onde bruxos foram viver no subsolo durante séculos. Esses julgamentos das bruxas de Salém não melhoraram exatamente as relações com a comunidade e agora a maioria dos trouxas – chamados de Não-Mágicos nos EUA – sequer acredita que bruxos existem. Newt, inadvertidamente, ameaça a situação atual quando seus animais raros ameaçam sair do casulo.

Então, sobre esse casulo: Ele está encantado e não muito diferente das bolsas de Mary Poppins, é muito, muito maior no interior do que parece ser do lado de fora. Ele é, na verdade, uma espécie de jogo portátil da vida selvagem, repleta de animais que vivem todos em seus próprios habitats. Agora, se esta começando a soar como um conto do menino e seu cachorro de três cabeças, não tema. Newt encontra novos companheiros americanos.

Como nos filmes de Potter, Animais Fantasticos é sobre um pequeno grupo de amigos, só que desta vez há quatro em vez de três. A equipe conta com Porpentina “Tina” Goldstein (‘Steve Jobs’ – Katherine Waterson), uma mulher ambiciosa que trabalha no Ministério da Magia versão EUA, que é chamado o Congresso Mágico dos Estados Unidos da América (MACUSA).

Tina apresenta Newt para sua irmã e para sua companheira de quarto Queenie (a estreante Alison Sudol), que é um “Legilimente” (uma leitora de mentes), com um grande coração.

E tem Jacob Kowalski (‘Bolas de Pânico’ – Dan Fogler um operário de fábrica que se torna o principal personagem não mágico da franquia. “No início da história, Jacob rompe com sua namorada e fica varrido para este mundo mágico com o sentimento de admiração e abertura,” diz Heyman. “Ele é a nossa janela”.

Os quatro estão destinados a serem comparados com Harry, Rony e Hermione, o que talvez seja igualmente injusto e inevitável. “A suposição é de que o Newt seja o centro das atenções, mas é um quarteto”, diz Redmayne. “Então é como aliviar um pouco [a pressão]. Pelo menos é o que digo pra mim mesmo”.

Completando o elenco está Colin Farrell como Graves, um auror do MACUSA, que vai atrás de Newt; Samantha Morton (Minority Report) como Mary Lou, uma Não-Mágica que lidera a Sociedade Filantrópica Nova Salém – ou os Novos Salemeros. E Ezra Miller, de ‘Trainwreck’, como seu problemático filho adotivo, Credence.

Credence é o personagem mais enigmático de todos, podendo se tornar um personagem relevante no universo Potter. Enquanto isso, Miller está apenas feliz de estar aqui. “Quando eu tinha 11 anos, não recebi minha carta de Hogwarts e isso me chateou”, ele diz. “Ser parte disso me faz sentir como se eu tivesse a chance de vir para Hogwarts – como assistente de professor ou algo do tipo”.

Alguns críticos comentaram sobre a falta de diversidade racial no elenco principal de Animais Fantásticos – uma ironia amarga para um filme que fala sobre intolerância. Mas Heyman está ansioso para esclarecer que a divisão racial na cidade faz parte do pano de fundo do filme. “Em Nova Iorque dos anos 20, havia uma grande segregação entre brancos e negros, e isso se reflete aqui,” ele diz, uma cena em Harlem deixa esta separação explícita. “Mas o mundo mágico é uma sociedade mais aberta e tolerante, onde pessoas de diferentes cores e etnias existem harmoniosamente”. Yates acrescenta que esse filme é “um pouco mais adulto” do que o resto do cânon. “Não há crianças nesse filme”, ele diz.

Pelo fato dos membros do elenco não serem crianças, no entanto, eles tiveram um pouco mais de preparação. Eles precisaram se conectar com seu lado mágico, e rápido. (Você não pode pular sete anos de Hogwarts e esperar não ter que fazer alguma recuperação.) Primeiro: escolha de varinhas. Cada ator recebeu cerca de uma dúzia de opções de varinhas antes de praticarem seus movimentos mágicos em uma “aula de uso de varinha”. “Você tem toda uma discussão sobre as coisas que você quer que sua varinha tenha – é o que move os sonhos das crianças,” diz Redmayne. “Eu fiquei tipo, bem, Newt não teria nada de couro nem nada feito com chifres. Teria que ser algo simples e lígneo”. Waterston pediu que sua varinha fosse mais pesada para dar mais peso ao lançamento de seus feitiços. Farrel nota que ele tinha uma “varinha para praticar” – como se dar uma varinha “de verdade” ao ator de ‘True Detective’ pudesse ser perigoso – para levar ao seu quarto de hotel. “Eu andava por aí de roupão com uma varinha na mão,” Farrel diz. Lá, ele gesticulava para a TV: “Canal 4! BBC 1!”

Quanto aos animais fantásticos do título, o conjunto inclui um pelúcio, um pequeno caçador de tesouros que se atrai por coisas brilhantes; um tronquilho, um ser protetor em formato de galhos que vive no bolso de Newt; e uma mortalha-viva, que sufoca suas vítimas enquanto dormem. Redmayne gastou meses se preparando para o papel, passando tempo com cuidadores de zoológicos e de outros animais, fazendo com que ele provavelmente seja o único ator na história a usar o método imersivo de pesquisa para interpretar um bruxo. Seus colegas dizem que o trabalho compensou. “A coisa mais cativante é assistir Eddie interagir com os animais,” Waterston diz. “É tão bonito. Ele trabalhou diversas dinâmicas diferentes com eles”.

Quando o filme for lançado em 18 de novembro de 2016 (17 de novembro, no Brasil), os fãs podem esperar para espiar algumas criaturas dos filmes Potter também (os sereianos provavelmente aparecerão). Só não espere ver versões mais novas de qualquer personagem humano. Ainda não, de qualquer forma. Se Animais for um sucesso, entretanto, mais filmes são planejados, com Rowling provavelmente escrevendo os roteiros. (Na sua maneira habitual, ela já planejou os próximos dois). No futuro, Heyman sugere que não devemos nos surpreender em ver um rosto familiar ou dois. Uma linha no diálogo de Animais Fantásticos faz referência a um bruxo que você pode ter ouvido falar – um tal de Dumbledore.

(c) Potterish

0 Corujas:

Postar um comentário